ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DE LICENCIATURA PLENA DO ESTADO DA PARAIBA - APLP 3O ANOS


A PARTIR DE AGORA VC TEM MAIS INFORMAÇÕES 

ATRAVÉS DO NOVO SITE DA APLP

COPIE O LINK http://aplppb.wix.com/aplp  

E  COLE NO SEU NAVEGADOR



 

 

,

http://aplppb.wix.com/aplp



Escrito por aplp02@ig.com.br às 12h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por aplp02@ig.com.br às 11h04
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por aplp02@ig.com.br às 10h58
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por aplp02@ig.com.br às 10h56
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COMUNICADO: 

PROGRESSÕES HORIZONTAIS (MUDANÇAS DE NÍVEIS)

 

PARA QUEM TEM PROGRESSÕES HORIZONTAIS (MUDANÇAS DE NÍVEIS) CONGELADAS, OU SEJA, ATINGIRAM O TEMPO DE SERVIÇO PARA O NÍVEL SEGUINTE E CONTINUAM NO MESMO NÍVEL, COM PREJUÍZO SALARIAL, REQUERER NA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO (CENTRO ADMINISTRATIVO), ATRAVÉS DA FORMULAÇÃO DE UM PROCESSO, A REGULARIZAÇÃO DO NÍVEL. APRESENTAR CONTRACHEQUE E DOCUMENTOS PESSOAIS.COMUNICAMOS, AINDA, QUE AS PROGRESSÕES HORIZONTAIS CONGELADAS DE 2009 A 2013 JÁ ESTÃO SENDO ENCAMINHADAS PARA PUBLICAÇÕES NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO, DEPOIS DA ASSINATURA DA SECRETÁRIA DA ADMINISTRAÇÃO.

QUAISQUER INFORMAÇÕS COMPLEMENTARES ENTRAR EM CONTATO COM A APLP.

IMPORTANTE: MAIS NA FRENTE VAMOS BUSCAR O RETROATIVO DE TODAS AS PROGRESSÕES HORIZONTAIS CONGELADAS INDEVIDAMENTE.



Escrito por aplp02@ig.com.br às 21h42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




C O N V O C A Ç Ã O



PAGAMENTO DE PRECATÓRIOS

 

 

A APLP convoca os associados, beneficiários de precatórios, acima de 60 anos e os portadores de doenças graves, para agilização dos pagamentos dos benefícios. A liberação dos benefícios aos professores (as) que estejam nessas condições, comprovadamente, está prevista na decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e será acionada pela Entidade a partir de agora.
Para formatação dos pagamentos dos benefícios, é necessário que os professores (as) procurem, a partir de quinta-feira, dia 21 de novembro, todas as Sedes da APLP (João Pessoa, Campina Grande, Patos, Sousa, Cajazeiras) munidos dos documentos pessoais como RG, CPF, comprovamente de residência, além dos dados bancários número da conta, agência, nome do banco e, no caso dos portadores de doenças graves, os respectivos laudos médicos. Todos preencherão requerimentos que serão encaminhados ao Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba.
Atenção, compareçam!



Escrito por aplp02@ig.com.br às 17h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




INFORME - INFORME - INFORME


A audiência da Diretoria da APLP com o Governador Ricardo Coutinho está marcada para o dia 29 de outubro, próxima terça-feira, às 16 horas, em local a ser definido. Na oportunidadae, a APLP apresentará as suas propostas para janeiro de 2014:

I-Piso Salarial Nacional Integral, sem proporcionalidade;

II-Definição imediata da Carreira do Magistério Estadual:

. nas progressões horizontais: definir os critérios e parâmetros exigidos pela lesgilção e fixar o índice entre os níveis.

.nas progressões verticais: fixação dos índices percentuais entre as classes.

III-Extinção da Tabela de Vencimentos discriminatória para os professores fora de sala de aula;

IV-Aposentadoria sem perdas salariais;

V-Melhoria das Gratificações de Direções Escolares.


 



Escrito por aplp02@ig.com.br às 11h59
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




UMA LUZ NO FINAL DO TÚNEL OU UM TÚNEL NO FINAL DA LUZ? SERÁ QUE SERÁ!

 

Pois é, depois de uma audiência com a Secretária da Educação Márcia Lucena, antes do Dia do Professor, conseguimos fazer com a Secretária encaminhasse uma solicitação de audiência ao Sr. Governador Ricardo Coutinho, ou seja, que ele recebesse a Diretoria da APLP para um cara a cara, uma conversa civilizada, um debate frutífero, uma discussão aberta, desarmada, em que pudéssemos apresentar as questões do Magistério Estadual para as devidas providências e soluções. E conseguimos! O Governador vai receber a APLP em data, horário e local a serem marcados ainda esta semana.
Informamos aos companheiros e companheiras que isso se faz necessário, o diálogo é fundamental, imprescindível, inadiável. O monólogo não leva a nada, não avança. A APLP sempre buscou essa forma de relacionamento institucional. Vamos apresentar as nossas propostas. É sempre importante enfatizar: os nossos direitos defenderemos com todas nossas forças. Esperamos que haja uma luz no final desse túnel e que não se transforme num túnel no final dessa luz.



Escrito por aplp02@ig.com.br às 09h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por aplp02@ig.com.br às 08h25
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Enquanto a Educação não tiver a importância que deveria ter nesse país chamado Brasil, os atores principais do processo educacional, os professores, estarão sempre nos últimos lugares das profissões. Um país que transforma os partidos políticos em self service para o troca-troca às veperas do prazo limite, já demonstra claramente o que serão e como se comportarão os futuros futuros parlamentares. E são essas figuras que farão e votarão as Leis para não serem cumpridas, inclusive a que traçam os destinos dos professores. Aqui na Paraíba, por exemplo, somos os piores salários do Poder Executivo.



Escrito por aplp02@ig.com.br às 09h13
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 

Brasil    f ica    no  penúltimo  lugar    em   ranking    de    valorização   do   professor

03 de Outubro de 2013 - 13h45Terra



O Brasil ficou na penúltima colocação entre 21 nações em um índice sobre a valorização dos professores divulgado nesta quinta-feira pela fundação internacional Varkey Gems, sediada em Londres. O País está à frente apenas de Israel no status dado aos seus educadores. Em primeiro lugar aparece a China, seguida de Grécia, Turquia, Coreia do Sul e Nova Zelândia.

Os 21 países analisados foram selecionados pelo desempenho no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês). Em cada nação foram feitas 1 mil entrevistas que levaram em conta o status do professor, a recompensa recebida pelo trabalho e a organização do sistema de ensino.

Enquanto na China 50% dos entrevistados disseram que incentivariam seus filhos a seguir carreira no magistério, apenas 8% fariam o mesmo em Israel. Já no Brasil, cerca de 20% afirmaram que encorajariam seus filhos a seguir a profissão.Os países asiáticos tiveram desempenho superior a nações europeias - como Holanda, Reino Unido e França -  e aos Estados Unidos, que aparecem no meio da fila. A pesquisa também comparou o status do professor a outras profissões. Em dois terços dos países, eles foram comparados a assistentes sociais. No Brasil, Estados Unidos, França e Turquia, as pessoas pensam que os professores são mais semelhantes a bibliotecários. Apenas na China os entrevistados disseram que acreditam que o professor tem o mesmo status de um médico.

Em relação à confiança de que o professor pode ajudar a dar uma boa educação aos alunos, o Brasil liderou as respostas positivas, seguido da Finlândia. Sobre o salário, 95% dos entrevistados em todos os países disseram que acreditam que o educador deve ganhar mais do que recebe atualmente.

A pesquisa completa está disponível do site da instituição (apenas em inglês).  


Ranking de valorização dos professores
POSIÇÃOPAÍS
China
Grécia
Turquia
Coreia do Sul
Nova Zelândia
Egito
Singapura
Holanda
Estados Unidos
10ºReino Unido
11ºFrança
12ºEspanha
13ºFinlândia
14ºPortugal
15ºSuíça
16ºAlemanha
17ºJapão
18ºItália
19ºRepública Tcheca
20ºBrasil
21ºIsrael

 

 



Escrito por aplp02@ig.com.br às 09h09
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CAMINHOS PARA A FRUSTRAÇÃO

A INDECENTE DESVALORIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO, UM CONLUIO (PERMITAM-NOS A EXPRESSÃO) ENTRE O PODER EXECUTIVO FEDERAL E OS ESTADOS, É UMA SOMBRA QUE NOS ABATE MORTALMENTE. É MUITO DIFÍCIL ACREDITAR-SE NA RETOMADA DA VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO DESTE PAÍS CHAMADO BRASIL, QUANDO A POLITICAGEM E OS INTERESSES ELEITOREIROS SE SOBREPÕEM ÀS NECESSIDADES E AOS DIREITOS DE TODA UMA CATEGORIA!
A LEI DO PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFESSORES, SANCIONADA PELA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EM 2008, E QUE TRAZ NO ARTIGO 5º A FORMA DE REAJUSTE ANUAL (SEMPRE EM JANEIRO) COM BASE NO VALOR CUSTO-ALUNO, ESTÁ DE FORMA ABRUPTA, VILIPENDIADA, SENDO DESCUMPRIDA, DESCARADAMENTE, PELO GOVERNO FEDERAL, ATRAVÉS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, COM O AVAL DOS GOVERNADORES BRASILEIROS (TODOS, INDISTINTAMENTE), AO NÃO CONSIDERAR A FORMA DO REAJUSTE PREVISTA NA LEI! JÁ ESTE ANO DE 2013 O REAJUSTE DO PISO NACIONAL DO PROFESSORES FOI O INSIGNIFICANTE 7,9%, (DETERMINADO PELO MEC, E SURGIDO NÃO SE SABE DE ONDE), QUANDO O CUSTO-ALUNO (ESTABELECIDO PELO PRÓPRIO MEC, ANTERIORMENTE) ERA DE 21,9%, INDICE QUE DEVERIA TER SIDO REAJUSTADO O PISO EM 2013.

LEIAM AGORA A TRAGÉDIA QUE SE NOS ABATERÁ PARA 2014

GOVERNADORES SE UNEM POR REAJUSTE MENOR DO PISO 

Documento assinado pelos 27 governadores foi entregue ao Executivo Federal, na semana retrasada, com uma nova sugestão de cálculo para o Piso Salarial dos docentes, aponta para um índice de 7,7%, a ser aplicado no ano que vem. Ou seja, o Piso que hoje (2013) é de R$ 1.567, 00 para 40 horas semanais, chegará a R$ 1.685,58 em 2014, aumentando apenas R$ 100,00.

O Piso será reajustado por uma forma alheia à Lei, isto é, sem levar em consideração ao que foi aprovado e sancionado, pela Presidência da República) em 2008! Os Governadores dos Estados (TODOS), sugerem (e vão conseguir) reajustar o Piso com base no INPC (Indice Nacional de Preços ao Consumidor, apurado pelo IBGE), do ano anterior, acrescido da metade da variação real (descontada a inflação) do FUNDEB, que chegará aos 7,7%. Melhor dizendo, derruba toda e qualquer tentativa de, através do Piso Nacional, estabelecer-se uma recuperação salarial dos professores!
Esse ritmo de reajuste do Piso, não será possível cumprir meta do PNE (em tramitação no Congresso Nacional) que prevê a equiparação do salário dos docentes com os profissionais de escolaridade semelhante num prazo de seis anos.

Em sintese, estamos entregues nas mãos de traidores da Educação!



Escrito por aplp02@ig.com.br às 09h00
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 

Os tais 1000 DIAS do Sr. Ricardo Coutinho, hoje em ampla matéria paga de página inteira nos jornais da Paraíba.

Na Educação:

Construção de seis escolas técnicas estaduais, 7.200 novas vagas. Inauguração de dez novas escolas, redução da taxa de analfabetismo de 21% para 14%, 150 laboratórios de robótica, 64 mil tablets para alunos e professores, 423 ônibus escolares e 15 mil bicicletas."

Agora, a pergunta que não quer calar: E os salários dos professores, excelência? E a valorização profisional do magistério? E o Plano de Carreira da categoria destroçado, desrespeitado, anulado? O FUNDEB (Fundo de Manutenção da Educação Básica de Valorização do Magistério), ao que se sabe, é 60% para pagamento dos salários do professores, dentro de uma Carreira determinada por um Plano atualizado e 40% para a manutenção e desenvolvimento do ensino.
Professor tem seus deveres, mas tem seus direitos! Direito, sobretudo, a uma vida decente, com dignidade. Valorizá-lo, diretamente no seu salário, é obrigação do governante comprometido com a Educação do seu Estado.

PROGRESSÕES HORIZONTAIS (MUDANÇAS DE NÍVEIS) CONGELADAS, POR FALTA DE CRITÉRIOS E PARÂMETROS - PREJUÍZOS MENSAIS PARA OS PROFESSORES: ATINGEM O TEMPO DE SERVIÇO NECESSÁRIO PARA O NÍVEL SEGUINTE, MAS ESTÃO IMPEDIDOS
PROGRESSÕES VERTICAIS (MUDANÇAS DE CLASSES) DESVALORIZADAS, DESESTÍMULADAS, PRINCIPALMENTE ESTAGNADAS NOS ÚLTIMOS ANOS: PREJUÍZOS ETERNOS PARA O ESTÍMULO DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL.

NADA É TÃO RUIM QUE NÃO POSSA PIORAR!

É DE ESTARRECER!


O Ministério da Educação (MEC) pediu ao Congresso Nacional para votar em regime de URGÊNCIA, URGENTÍSSIMA, desde o dia 13 de setembro corrente, o Projeto de Lei Nº 3736/2008, que MUDA O ARTIGO 5º DA LEI DO PISO SALARIAL NACIONAL DO MAGISTÉRIO, que atualmente prevê que o reajuste anual desse Piso deve ser pelo valor custo-aluno, passe a ser pelo INPC (índice nacional de preço ao consumdor), como querem os governadores, os prefeitos e a CNM (Confederação Nacional dos Municípios). Ou seja, se esse PL for aprovado o reajuste do Piso em 2014 em vez de 19% será de apenas de 5%. Uma perda de 14%.
O Piso Salarial Nacional será tudo ilusão passageira que a brisa primeira levou!
Vamos contactar e pressionar os nossos Deputados Federais e os nossos Senadores, aqui da Paraíba, para esclarecimentos e verdade sobre essa informação.

 

 

 

PARA ESPELHAR-SE NA HISTÓRIA E NÃO CONTINUAR ABSORVENDO AS MESMAS INJUSTIÇAS

Desde a época da Corte imperial, aqui no Brasil, no século XIX, os professores já reivindicavam melhores condições de trabalho e melhores salários: "Não vedes que tratando os professores como escravos, só conseguireis moldar por eles uma sociedade indigna do século em que viveis?" Manifesto feito em 1871 pelos professores públicos primários da Corte imperial, ao Imperador D. Pedro II.
Hoje quase 150 anos depois, a classe dos professores permanece entre as "delembradas" do poder. Os problemas da Educação continuam a ser um dos grandes empecilhos enfrentados pelo Brasil.
Como dizia Paulo Freire, a luta dos professores em defesa de seus direitos e de sua dignidade deve ser entendida como um fundamento importante de sua prática docente: um exercício de ética.
Por isso, repudiamos toda essa política perversa de desmonte da nossa Carreira, da nossa conquista histórica o Piso Salarial Nacional e da nossa profissão, aqui na Paraíba e em qualquer parte desse país. A História não pode continuar se repetindo por obra e graça dos imperadores dos novos tempos! Haveremos de expurgá-los de nossas vidas!



Escrito por aplp02@ig.com.br às 08h14
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




75% dos Royalties do Petróleo para a Educação

 

Destinar 75% dos royalties do petróleo para a educação é importante, mas sem um plano nacional com as participações de todos atores envolvidos com o processo educacional, sobretudo as comunidades escolares, que indiquem onde devem ser aplicados, esse dinheiro adicional pode se perder, por histórica omissão na gestão administrativa dos governos.
Os principais problemas do setor são: salários defasados e aviltantes dos professores e escolas sem condições adequadas. As escolas públicas podem oferecer ensino de qualidade, desde que os recursos sejam aplicados de maneira correta, não podem ser utilizados para outros fins, desviados descaradamente.

Os baixos salários dos professores e a falta de estímulo à qualificação (pós-graduações), são entraves para o desenvolvimento do processo educacional. O Piso Salarial Nacional Integral, ignorado por muitos estados, inclusive pelo atual Governador do Estado da Paraíba Sr. Ricardo Coutinho é, vergonhosamente, de R$ 1.567,00 (na Paraíba é apenas de R$ 1.175,31), o que torna o salário de um professor 60% abaixo de outro profissional com a mesma formação. Aqui na Paraíba, por exemplo, o salário do professor da rede estadual, no entanto, tem essa comparação com o salário de outro professor, o da rede municipal de João Pessoa, sendo o do Estado muito inferior. Melhorar a qualidade da educação pública, portanto, só com professores devidamente valorizados.

São necessários também investimentos em escolas, que precisam oferecer uma estrutura básica adequada para alunos e professores.

Investimentos em educação no Brasil soam, pelas propagandas enganosas, como eternas soluções que, como fumaça, perdem-se no ar. E continuamos aqui vendo o tempo passar sem nada mudar!
É preciso, nesse momento, reverter esse quadro!


 



Escrito por aplp02@ig.com.br às 08h57
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O NOSSO PLEBISCITO

 

         Professores e Professoras da Rede Estadual de Ensino, a APLP buscando sempre a valorização do Magistério Estadual, convoca-os para participarem do Plebiscito da Educação. É preciso, é absolutamente preciso, rompermos a barreira governamental da omissão. Não podemos mais contemporizar com uma educação pública de faz-de-conta, onde profssionais em educação são salarialmente e profissionalmente vilipendiados: piso inexistente, condições precárias de trabalho, dois quadros de vencimetos (um ruim e outro miserável), plano de carreira rasgado, aposentadoria de punição.

         Contra do descaso, contra a indiferença, contra a retórica da enganação!

Pronunciem-se, comentem, exerçam o direito de opinar. Ocupem o espaços, as redes sociais, denunciem as incoerências dos encastelados no poder.

 



Escrito por aplp02@ig.com.br às 17h40
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CARTA ABERTA AO SR. RICARDO COUTNHO

Sr. Ricardo Coutinho,

Sabemos que senhor transita pelas redes sociais, até para saber o que andam falando pelas esquinas, pelas praças, pelos mercados, pelas escolas, pelas repartições, pelas ruas. E, sinceramente, a nossa gente anda cabreira, pelo avesso, chateada, revoltada, p da vida mesmo! Sobretudo, e principalmente, o servidor público estadual. 
Sr. Ricardo Coutinho, já dizia o nosso Geraldo Vandré "gado a gente ferra, engorda e mata, mas com gente é diferente". 
Como é possível manter-se distante e indiferente às reivindicações de toda uma massa de servidores! O diálogo, não queremos crer que o senhor esqueceu, é a essência da democracia. O monólogo não conduz a nada, isto é, conduz à intrasigência, à intolerância. 
E aí, pelo passar do tempo, pelos encantos do poder, nós reavaliamos e já temos certeza que o senhor esqueceu mesmo! Esqueceu a presença, constante diga-se de passagem, nas nossas lutas, nas nossas passeatas, nos nossos atos públicos, nas nossas greves. Esqueceu a presença direta nos nossos sindicatos, nas nossas associações, mas no Palácio essas mesmas entidades hoje são dispensadas e dispensáveis. 
As entidades, Sr. Ricardo Coutinho, não querem ir em busca de interesses mesquinhos, de benesses, de cargos, querem tão somente o diálogo e a negociação, o direito institucional de serem ouvidas em defesa dos servidores estaduais e esse direito não pode ser negado, porque nunca lhe negamos o direito de nos procurar nos momentos precisos.
Sr. Ricardo Coutinho há questões dos servidores públicos que precisam, imediatamente, ser discutidas, encaminhadas, resolvidas, abra as portas do entendimento. Convoque os "Forum dos Servidores Públicos Estaduais" para uma grande reunião. O Brasil está vivendo novos tempos e o senhor não pode ficar mantendo-se na contramão da história!

facebook

https://www.facebook.com/aplp.professores



Escrito por aplp02@ig.com.br às 10h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




É IMPORTANTE!

ATENÇÃO PROFESSORES E PROFESSORAS!

SESSÃO PÚBLICA ESPECIAL

 

SEGUNDA-FEIRA, DIA 17 DE JUNHO, A PARTIR DAS 15:00, NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DA PARAÍBA,

SESSÃO ESPECIAL DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA COM O MAGISTÉRIO ESTADUAL. NA OPORTUNIDADE,

AS ENTIDADES DA CATEGORIA (APLP E O SINDICATO) DEBATERÃO COM OS DEPUTADOS O VETO DO SR. RICARDO

COUTINHO RELATIVO A EMENDA DO MAGISTÉRIO À MEDIDA PROVISÓRIA 204. A ALUDIDA EMENDA VISA ANULAR  O

QUADRO DE VENCIMENTOS PARALELO CRIADO PELO GOVERNO DO ESTADO DO ESTADO, DENTRO DO MAGISTÉRIO

ESTADUAL, PARA AQUELES QUE ESTÃO FORA DE SALA DE AULA. UMA ATITUDE EXDRÚXULA DO GOVERNO. É

IMPORTANTE AS PRESENÇAS DE TODOS, PORTANTO, PORQUE OUTRAS QUESTÕES DO MAGISTÉRIO TAMBÉM SERÃO

TRATADAS.

 

PARTICIPE! 

 

 



Escrito por aplp02@ig.com.br às 23h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Nem só de tablet vive o professor

Por Rubens Nóbrega: Jornal da PAraíba, hoje, 11/06/2013

Li com redobrada satisfação que o governador Ricardo Coutinho entregou ontem 700 netbooks a professores que concluíram o curso de Educador Digital. Significa que o governo deu o peixe (o curso), a rede (o computador) e ensinou a pescar, ou seja, como usar o equipamento e tecnologias agregadas no processo educativo.
Muito bem. Para melhorar a escola estadual serão sempre bem-vindos os esforços governamentais. Mesmo os pontuais, feito cursos como aquele e a entrega de nets como a realizada ontem no Colégio Sesquicentenário, em João Pessoa. Mas tenho certeza de que tanto o governador quanto a sua secretária de Educação, a Professora Márcia Lucena, sabem que precisam fazer bem mais para dar e universalizar qualidade no ensino público.
Se não sabem, peço que leiam a carta que um professor do Estado dirigiu à secretária Márcia no dia 10 de maio último. Nessa carta, ele cuida justamente de inclusão digital, das novas tecnologias da informação e da comunicação no cotidiano de ensino-aprendizagem e, principalmente, da necessária complementação de ações, providências, medidas e investimentos na melhoria da educação pública. Para além e muito além, evidentemente, da distribuição de tablets e computadores. 
O texto do professor (seu nome não revelo por enquanto) é de uma clareza fantástica, didático por excelência. Ao mesmo tempo, contundente na crítica que faz às condições de trabalho do magistério estadual. Todavia, sabe ser duro sem perder a ternura, como é próprio dos grandes mestres. Sua carta é, na verdade, uma lição que Ricardo Coutinho e Márcia Lucena deveriam receber de bom grado e por ela agradecer.
Se eu fosse o governador ou a secretária, em vez de torcer o nariz para o que diz o professor, chamaria o homem pr’uma conversa. Se quiserem, e se o missivista consentir, encaminho a carta inteira ao Palácio da Redenção. 
Farei na certeza de que governador e secretários em geral têm muito a aprender em matéria de educação pública, sobretudo no que tange à gerência e operacionalização do sistema educacional que dirigem. Nesse contexto, seria muito bom se, pelo menos, lessem o que vai a seguir. É parte final da carta do professor, dirigida à secretária Márcia.

 

Senhora Secretária

O que de fato me preocupa é a realidade das nossas escolas. Elas estão longe do necessário para termos uma educação de qualidade. Vejo a falta de estrutura de trabalho, a violência e o tráfico de drogas, dentro ou em volta das escolas. 
Nossos professores estão insatisfeitos porque são vilipendiados por salários vergonhosos e sem perspectivas de mudança. Muitos deles já poderiam estar aposentados, mas não o fazem para não diminuir ainda mais a parca remuneração que recebem. 
Como poderemos falar de modernizar a educação quando o agente principal dela está velho, cansado, desestimulado? Os ainda jovens iguais a mim não pensam em terminar os seus dias na decadência atual dessa nobre profissão, estão abandonando o magistério em poucos anos de prática. Eu mesmo já estou me articulando para isso. 
A vida é curta e não dá para esperar por mudanças que envolvem vontade política, isso é utopia. E utopia alguma paga as minhas contas no fim do mês. Não pretendo ser herói, muito menos mártir. Por que só professores têm que se sacrificar? Ninguém fala isso para os advogados, os médicos, os engenheiros. 
Não adianta dotar um carro com tecnologia avançada, computador de bordo, GPS e tudo mais se o motor dele não for abastecido com um combustível de qualidade. E aplicando essa analogia à educação, o motor é o professor e o combustível é um salário digno. Sendo assim, do jeito que está esse “carro” vai parar em pouco tempo.



Escrito por aplp02@ig.com.br às 10h19
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




10 mil professores da Paraíba paralisam por três
dias e deixam mais de 200 mil alunos sem aulas

Edson Verber

Amanhã, quinta-feira e sexta-feira, cerca de 10 mil professores da rede estadual de ensino da Paraíba paralisam suas atividades e deixam mais de 200 mil alunos sem aulas, em defesa da escola pública estadual, pela imediata revisão do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração, pela exclusão do anexo um da Medida Provisória nº 204 do Governo do Estado, pela paridade dos vencimentos entre professores ativos e inativos e pela urgente melhoria das gratificações de direção das escolas. As 14h00 do dia 22/05, os docentes farão concentração e ato público em frente ao colégio Lyceu Paraibano.
Quem informa é o presidente da APLP (Associação dos Professores de Licenciatura Plena), Francisco Fernandes, que coloca como uma das principais reclamações da categoria a necessidade de serem recebidos pelo Governador, ao destacar que “nunca houve na história da Paraíba um distanciamento tão absurdo entre o Governador e os servidores públicos estaduais. E não por culpa, desinteresse ou omissão desses, mas por omissão, desinteresse e culpa daquele”. 
Chegamos ao terceiro ano de mandato, prossegue, e o Sr. Ricardo Coutinho não se digna em tratar diretamente com as entidades das categorias, que compõem o universo dos servidores estaduais. A propalada data-base do reajuste salarial, é uma decisão unilateral sem levar em consideração as reivindicações dos servidores. Por conta disso são cometidos equívocos, são descumpridos direitos e são relegadas conquistas.

Os salários

A paralisação se faz necessária, destaca a direção da APLP, porque “exercendo uma política de desrespeito à carreira dos profissionais em Educação da Rede Estadual de Ensino, de flagrante achatamento salarial, o atual Governo do Estado da Paraíba achou por bem, de forma impositiva, ignorar a luta histórica da categoria, reduzindo-a a ínfimos reajustes salariais sem a observar a qualificação e a progressão correspondente, em um desmonte completo do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração”.
Por fim a direção da entidade relaciona “os piores salários de níveis superiores do Estado e também os piores salários da Região Nordeste”, pagos pelo Governo: professor com Licenciatura Plena, em final de carreira (30 anos) R$ 1.748,60; professor com Especialização, em final de carreira (30 anos) R$ 1.821,46; professor com Mestrado, em final de carreira (30 anos) R$ 1.894,32; e professor com Doutorado, em final de carreira (30 anos) R$ 1.967,18.



Escrito por aplp02@ig.com.br às 11h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




PARA REVOLTAR-SE

Nunca houve na história desse Estado da Paraíba um distanciamento tão absurdo entre o Governador e os Servirdores Públicos Estaduais! E não por culpa, desinteresse ou omissão desses, mas por omissão, desinteresse e culpa daquele. Terceiro ano de mandato e o Sr. Ricardo Coutinho não se digna em tratar diretamente com as Entidades das categorias, que compõem o universo dos servidores estaduais. A propalada data-base do reajuste salarial, é uma decisão unilateral sem levar em consideração as reivindicações dos servidores. Por conta disso são cometidos equívocos, são descumpridos direitos, são relagadas conquistas.



Escrito por aplp02@ig.com.br às 08h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




PARA INDIGNAR-SE

Exercendo uma política de desrespeito à Carreira dos Profissionais em Educação da Rede Estadual de Ensino, de flagrante achatamento salarial, o atual GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA achou por bem, de forma impositiva, ignorar a luta histórica da categoria, reduzindo-a a ínfimos reajustes salariais sem a observar a qualificação e a progressão correspondente, em um desmonte completo do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração!
Acredite se quiser, mas é real!
Professor com Licenciatura Plena, em final de carreira (30 anos) R$ 1.748,60;
Professor com Especialização, em final de carreira (30 anos) R$ 1.821,46;
Professor com Mestrado, em final de carreira (30 anos) R$ 1.894,32;
Professor com Doutorado, em final de carreira (30 anos) R$ 1.967,18.
Os piores salários de níveis superiores do Estado e também os piores salários da Região Nordeste.



Escrito por aplp02@ig.com.br às 08h54
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por aplp02@ig.com.br às 18h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 GREVE NACIONAL: 23,24 e 25 DE ABRIL

EM DEFESA E PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO 

A DIGNIDADE  DOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO ESTÁ ACIMA DA DESASTROSA POLÍTICA EDUCACIONAL POSTA EM PRÁTICA NO PAÍS E, ESPECIFICAMENTE, NA PARAÍBA. HÁ UM GOVERNO ESTADUAL QUE NÃO DIALOGA, NÃO AVANÇA NAS DISCUSSÕES, QUE É INDIFERENTE ÀS  REVIVINDICAÇÕES DO MAGISTÉRIO ESTAUDAL.

UM GOVERNO QUE NOS PALANQUES ELEITORAIS PROMETEU TUDO, E ATÉ AGORA NADA CUMPRIU!

NÃO SE PODE CONTINUAR COMPACTUANDO COM A DESESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DA CATEGORIA; COM GRATIFICAÇÕES EXTINTAS; COM IMPOSIÇÕES DE VONTADES; COM ESCANCARADO ACHATAMENTO SALARIAL; COM POLÍTICAS DE DESESTÍMULO AO EXERCÍCIO DE DIREÇÕES DAS ESCOLAS (PARA DEPOIS NOMEAR INTERVENTORES); COM ESCOLAS PRECÁRIAS.

NÃO SE PODE, APENAS, FICAR OBSERVANDO, DE BRAÇOS CRUZADOS, O BLOQUEIO DE CONQUISTAS E DE ANULAÇÕES DE DIREITOS!

NÃO ÀS INDIFERENÇAS DO SR.RICARDO COUTINHO! OS PROFESSORES ESTADUAIS EXIGEM RESPEITO! 

A DIRETORIA  



Escrito por aplp02@ig.com.br às 10h04
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




SEMANA NACIONAL EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA 

Mais de 22 mil professores da Paraíba aderem à greve nacional de três
dias convocada pela CNTE e mais de 450 mil alunos ficam sem aulas


Edson Verber

Hoje, amanhã e quinta-feira, mais de 450 mil alunos das redes estadual e municipal de ensino da Paraíba não terão aulas, em face de os mais de 22 mil docentes Estado e Município terem aderido à paralisação nacional de três dias decretada pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), com o objetivo principal de colocar trabalhadores da educação e a sociedade nos debates da 14ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública, cujo foco é a valorização dos profissionais em educação, pela aprovação do Plano Nacional de Educação e a destinação dos royalties do petróleo e 10% do PIB para a educação. 
Na Paraíba o plano de cargos e carreira é o foco inicial dos debates que ocorrerão hoje na sede da APLP (Associação dos Professores de Licenciatura Plena), durante um café da manhã. “Vamos aproveitar a presença dos colegas e debater sobre a educação na Paraíba, a relação com o plano de cargos e carreira e a qualidade do ensino, já que houve a desestruturação do PCCR da categoria criado em 2003, que acaba de completar dez anos de existência, sem nada a comemorar. Muito pelo contrário, pois a realidade é que com as ações do atual governador os ganhos decorrentes das progressões por tempo de serviço e qualificação, foram anulados. É um fato muito grave” - disse o presidente da APLP, Francisco Fernandes.

No Município

Já o Sintep (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado) programou Assembléia Geral na sua sede, na tarde de hoje, e nos demais dias debates com funcionários e visita à Secretaria da Educação, no último dia da greve. 
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município, Daniel de Assis, destacou que na quarta-feira, haverá distribuição de panfletos explicativos sobre o movimento, no Centro Administrativo de Água Fria e reunião às 09h00 de quinta-feira na sede da entidade, com funcionários da educação e servidores de apoio administrativo efetivos. Garantiu que os 54 mil alunos das 94 escolas municipais da capital não serão prejudicados, pois terão assegurados os 200 dias letivos previstos em lei.

Nacional

O presidente da CNTE, Roberto Leão, destaca que “além da greve nacional, o foco é a valorização dos profissionais em educação. Esta semana tradicionalmente se destina ao debate das questões educacionais e terá como prioridade o debate sindical da mobilização, mais um ano que estaremos lutando para que o piso salarial nacional seja efetivamente aplicado no nosso país com uma greve nacional”.
Da programação nacional consta, amanhã, dia 24 de abri um ato com representação dos estados na Câmara dos Deputados, em Brasília e também atos locais nas sedes de governo estaduais e municipais pelo país.
“Queremos chamar a atenção dos governos, de todas as esferas administrativas, para a importância de se cumprir integralmente a Lei do Piso do Magistério e de se valorizar todos/as os/as trabalhadores/as em educação com salário digno, carreira atraente, jornada compatível com as demandas profissionais e condições adequadas de trabalho. Também destacamos a importância de o Congresso Nacional regulamentar a Convenção 151 da OIT,
imprescindível para estabelecer a Negociação Coletiva no Serviços Público” – disse o Presidente.

Profissão não atrai

Muito se fala sobre os problemas na aprendizagem dos estudantes, mas pouco se tem feito para garantir a formação inicial e continuada de qualidade dos profissionais da educação (professores, especialistas e funcionários) e, sobretudo, para assegurar plenas condições de trabalho e qualidade de vida aos/às educadores/as.
No Brasil, estima-se a falta de mais de 300 mil professores nas redes públicas estaduais e municipais, sem contar os milhares de profissionais que lecionam, sem habilitação, em áreas de conhecimento distintas de sua formação. Entre os funcionários da educação, menos de 10% possuem diploma profissional.
Por outro lado, prosseguiu, a juventude não se sente atraída pela profissão, que perdeu status social e foi duramente desvalorizada ao longo de décadas. Os profissionais que se mantêm nas escolas sofrem com doenças do trabalho – como burnout, alergias, varizes e calos vocais – e estão cada vez mais expostos à violência e às inúmeras e injustas cobranças, que desprezam suas condições de trabalho.
Hoje, 86% das matrículas escolares no Brasil concentram-se na escola pública, e sem que esta instituição seja devidamente valorizada, dificilmente atingiremos melhores índices de distribuição de renda, de emprego de qualidade e justiça social.
Neste sentido, reiteramos aos trabalhadores/as, gestores públicos, parlamentares, pais, mães e estudantes a necessidade de o Congresso aprovar, com urgência, o novo Plano Nacional de Educação e de destinar 100% dos recursos provenientes da exploração do petróleo para a educação pública. Pois, sem estratégias nacionais para se garantir a equidade no atendimento educacional de qualidade, a cidadania e as oportunidades continuarão
sendo privilégios de poucos.
Essa luta é de toda sociedade, e não apenas dos/as trabalhadores/as em educação.
Contamos com o apoio de todos/as!


www.quilombolasilva.blogspot.com



Escrito por aplp02@ig.com.br às 09h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




D E N Ú N C I A

Desandando

Começam a pipocar na imprensa paraibana movimentos de alunos de escolas estaduais, cobrando providências urgentes, para melhorias estruturais das escolas. É um cenário de cobranças que vem se avolumando e com razão! Não é possível, não dá para contemporizar com essa situação grave, carecendo de imediatas respostas por parte da Secretaria Estadual da Educação . Escolas públicas funcionando sem o mínimo necessário, estruturalmente precárias, desde da merenda escolar, condições físicas, carências de materiais didáticos e de professores. São escolas de todos os níveis de ensino, do fundamental ao médio. A APLP tem constatado essa situação vergonhosa, diretamente, através das recentes visitas às Regionais de Ensino.

Os Estados, constitucionalmente, têm que destinar 25%, no mínimo, de suas receitas correntes líquidas para aplicação na Educação; 40% do Fundeb é para aplicar, também, na manutenção do ensino, ou seja, na viabilização estrutural do ensino, há toda uma legislação para o funcionamento correto das escolas. O que falta, portanto? Falta prioridade! Falta mais atenção! Falta gestão governamental! Um ano letivo não pode e não deve iniciar-se com acúmulos de problemas na rede pública estadual.

A APLP coloca-se à disposição de todos alunos, professores, funcionários, vice-diretores e diretores das escolas estaduais, enfim das comunidades escolares, para encaminhar a luta em defesa da educação pública de qualidade e chama atenção do Governo do Estado para a responsabilidade diante do problema.

 



Escrito por aplp02@ig.com.br às 11h25
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




À GUISA DE ESCLARECIMENTO

NÃO HÁ RETORNO DA GED

Não há nenhuma informação do retorno dos 40%, ou seja, da Gratificação de Estímulo à Docência (GED), ou "pó de giz", para os nossos contracheques, como algumas pessoas assim interpretaram ! A GED, como se sabe, foi extinta em 2011, por Lei do atual Governo do Estado, e os valores correspondentes foram incorporados aos vencimentos. A matéria veiculada no Jornal Correio da Paraíba, há duas semanas, e após a audiência da APLP e do Sindicato com as Secretárias Márcia Lucena, da Educação e Livânia Farias, da Administração, dizia respeito, apenas, ao pagamento do RETROATIVO aos aposentados, que até o ano de 2003 (antes da vigência do Plano do Magistério) tinham se aposentado com o "pó de giz" constante à época de R$ 40,00, e ficaram com esse valor (defasado) até o ano de 2009, quando, por iniciativa da APLP, houve a revisão de aposentadoria, junto à PB-PREV, para as devidas atualizações. Aconteceram, portanto, as atualizações com todos os aposentados passando para os 40% existentes, como forma de preservação da paridade constitucional. Ao mesmo tempo, os aposentados, também por iniciativa da APLP, requereram a partir de 2010 o direito ao retroativo (de 2004 a 2009). A PB-PREV também acatou e iniciou a devolução dos valores subtraídos, ou seja, não devidamente atualizados. Tal devolução foi cumprida, parceladamente, até dezembro de 2010. Porém, a partir de de janeiro de 2011, aí já com o Sr. Ricardo Coutinho no governo (sempre ele), todos os retroativos foram suspensos. Agora, após muita pressão da APLP, o pagamento do retroativo aos aposentados de 2003 voltará a ser efetuado, segundo a Secretária da Administração, Livânia Farias, a partir do mês de abril do corrente ano, também parceladamente. Caso não tivesse havido a revisão de aposentadoria, em 2009, os aposentados estariam hoje amargando um projuízo alto com a incorporação acontecida em 2011,  de apenas R$ 40,00 aos vencimentos.

A informação, portanto, não tem relação com o retorno da GED.  O Governo do Estado nega-se a quaisquer discussões em torno do assunto! No caso de uma Gratificação de Produtividade, todavia, a nossa luta continua para a sua recriação. Mesmo porque, essa Bolsa Desempenho é frágil, inorpotuna e descabível.  E não vai para aposentadoria!

A Direção



Escrito por aplp02@ig.com.br às 19h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




PROMOÇÃO DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO

C N T E



Escrito por aplp02@ig.com.br às 12h09
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




RETOMANDO O DIÁLOGO

Governo do Estado cria comissões para analisar PCCR dos Professores e promete voltar a pagar gratificação de pó de giz igual a 40%

Edson Verber

O Governo do Estado criou duas comissões que terão a função de atualizar o Plano de Cargos Carreira e Remuneração (PCCR) dos professores da rede estadual, e analisar os processos que tramitam na Secretaria de Administração, com pedidos de promoções verticais e horizontais. A informação é do presidente da APLP (Associação dos Professores de Licenciatura Plena do Estado da Paraíba), Francisco Fernandes.
Segundo ele, esse foi o resultado da audiência realizada segunda-feira passada entre as entidades representativas da categoria e das secretarias de Administração, Educação e Finanças. “O governo também prometeu pagar retroativamente a gratificação ‘pó de giz’, de 40% sobre os vencimentos, para os docentes antigos - grande parte já aposentados -, que foi suspensa entre 2011 e 2012”, afirmou o sindicalista.
“Considero que a audiência foi positiva, porque formamos duas comissões importantes para atualizar o nosso PCCR, que tem várias cláusulas obsoletas, e outra destinada a agilizar a tramitação na Secretaria de Administração, de processos pedindo promoções verticais e horizontais, que há anos não saem das gavetas da máquina burocrática”, reforçou o presidente.
Sobre a volta do pagamento da gratificação Ged, mais conhecida como "pó de giz", Francisco Fernandes historiou que “a antiga Ged, em 2003, era igual a R$ 40; em 2004 passou a ser 40% sobre o vencimento de cada docente. Só que quando havia a aposentadoria caia para os R$ 40 iniciais. Já em 2009 o Governo voltou a pagar os 40%, no processo de revisão das aposentadorias, de forma retroativa. Entretanto, em 2011 e 2012 o pagamento foi suspenso. Agora, a secretária de Administração, Livânia Farias, se comprometeu em pagar”, disse.

Ordem cronológica
No tocante à forma como o Governo pagará, o Presidente da APLP disse que “será na ordem cronológica da entrada de cada processo pedindo a quitação, dando prioridade para os professores que têm doenças graves. Torcemos para que esses pagamentos realmente ocorram porque os nossos colegas estão precisando muito desse benefício”. 




Escrito por aplp02@ig.com.br às 11h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por aplp02@ig.com.br às 10h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TABELA SALARIAL

ESTADO DIVULGA TABELA DE VENCIMENTOS (ACIMA), ACRESCIDO DO REAJUSTE

DE 10% PARA JANEIRO DE 2013.

 

De acordo com a Tabela em tela,   e o que foi anunciado pelo governador Ricardo Coutinho,  com relação a recomposição da Tabela Salarial de Vencimentos, relativa às Progressões Verticais (índices entre as Classes) e, as Progressões Horizontais (índices entre os Níveis), que estava sendo restabelecida conforme os índices anteriores (palavras dele), tal fato não aconteceu! A nossa Carreira continua sendo desrespeitada e o Plano do Magistério ignorado, o que caracteriza um profundo retrocesso. 

 



Escrito por aplp02@ig.com.br às 11h47
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
    Outros sites
      Governo do Estado da Paraíba
      Jornal Correio da PAraíba
      Tribunal de Justiça da Paraíba
      Supremo Tribunal de Justiça
    Votação
      Dê uma nota para meu blog